A Terra é nossa Mãe

“…nós cuidamos dela e ela cuida de nós”

Essa era a frase destacada no painel artístico da XIII Festa do Murici e do Batiputá, suspenso no Ponto de Cultura Recanto dos Encantados, recepcionando as pessoas presentes para os dias de festividade e convidando cada uma delas a comungar dos princípios acolhedores da Terra Indígena Tremembé da Barra do Mundaú.

A Festa do Murici e do Batiputá é patrimônio imaterial do povo Tremembé da Barra do Mundaú, guardião da Área de Preservação Ambiental do Estuário do Rio Mundaú, no Ceará. Um paraíso natural, com praias, dunas e manguezais, considerado sagrado pelas famílias que vivem nas quatro aldeias da T.I., que apesar de demarcada, ainda enfrenta conflitos, principalmente, pela pressão dos empreendimentos imobiliários e turísticos, que avançam com a ocupação irregular do espaço, fragilizando os bens naturais e modificando radicalmente seus modos de vida.

A comunidade, mesmo com os constantes desafios, acentuados pelos recentes retrocessos que fortalecem ainda mais o agronegócio e o modelo desenvolvimentista, segue sendo resistência e mantém viva a tradição de festejar para agradecer e homenagear os seus mais velhos e Encantados, ou seja, seus ancestrais, que são a própria natureza do lugar, provedora de saúde e alimentos.

“Celebramos todos os anos em honra e agradecimento à ancestralidade, os nossos Troncos Velhos e Encantados, pela dádiva da colheita do murici e do batiputá, dois frutos de nossas matas que representam, para nós, o alimento e a cura.”

Mateus Tremembé, liderança indÍgena e articulador local

Por isso, todos os anos, renova seus laços de pertencimento com o território, demonstrando respeito e conexão com a natureza do lugar, visível e invisível. Sempre no mês de janeiro, há mais de uma década, recebe em suas matas, trilhas e córregos, e em muitos outros espaços, literalmente “encantados”, quem sentir de somar e celebrar sua cultura alimentar, imergindo em seus modos de fazer e viver e desfrutando dos seus muitos sabores tradicionais.

“Vivemos da força da terra, que nos dá energia para lutar e vencer nossas batalhas”

Trecho de uma Oração TremembE, entoada durante todos os dias da festa.

Intercâmbio cultural

A última atividade de campo proposta pelo projeto Território e Cultura Alimentar no Ceará teceu caminhos de aproximação entre o povo Tremembé da Barra do Mundaú e a juventude indígena Tabajara do Sertão dos Inhamuns, a fim de fortalecer e dar amplitude a essas vozes resilientes na luta pela valorização da identidade territorial e preservação da sociobiodiversidade, como garantias de qualidade de vida e acesso ao alimento bom, limpo e justo. Acolhida dentro da programação do evento, a ação de intercâmbio cultural proporcionou experiências de integração e convívio comunitário e interação com o espaço físico, com a fauna e a flora do ambiente estuarino, diminuindo as distâncias entre o semiárido e o litoral cearense.

Para vivenciar essa oportunidade, o grupo de jovens e mulheres mobilizados por Eleniza Tabajara, liderança indígena do povo Tabajara do Sertão dos Inhamuns e articuladora local do projeto, com o apoio de Fabrícia Tabajara, diretora da Escola Indígena Carlos Levy, viajou cerca de 400km até Itapipoca. As quatro aldeias que compõem o território, ainda não demarcado pelo governo federal, ficam no município de Quiterianópolis, localizado próximo à divisa com o estado do Piauí, e as famílias guardiãs até hoje sofrem com a presença de posseiros, que cobram pelo uso de sua própria terra.

Através do olhar de quem convive com a realidade de uma das regiões mais áridas do estado, o destaque foram as vivências no mar e no mangue, a exemplo da pesca artesanal noturna dos aratus e caranguejos, e a colheita dos frutos da celebração, o murici e o batiputá, que ao invés de serem cultivados como o feijão, referência da agricultura familiar Tabajara, brotam espontaneamente nas matas de restinga. O pôr do sol na gamboa e o batismo nas águas sagradas também foram vividos com muita emoção.

Em contrapartida a essa imersão na cultura Tremembé, o coletivo representante da juventude Tabajara do Sertão dos Inhamuns teve a chance de partilhar o modo completo, desde a matança do porco, de como preparar o choriço, um doce tradicional, patrimônio de sua cultura alimentar, feito a partir do sangue ainda quente do animal. O resultado foi bastante apreciado até pelas crianças!

Na roda de conversa, que ocorreu debaixo da agradável sombra de uma mangueira, Giselle Miotto, consultora do projeto e participante da Comunidade Slow Food Brasil Educação, estimulou diálogos e reflexões entre os dois povos beneficiários para identificarem o potencial de suas comunidades e oportunidades de fortalecimento econômico em seus territórios. Prezando pela segurança alimentar e nutricional, a educadora destacou a importância do consumo de alimentos produzidos localmente, como uma das estratégias de resistência frente aos processos globalizantes.

Outro momento importante de trocas foi a roda de parceiros que reuniu a equipe do projeto, representantes das duas comunidades, o conselho indígena e as instituições presentes, revelando um horizonte de possibilidades para continuidade e expansão das ações em rede.

Território e Cultura Alimentar no Ceará

O projeto é uma realização da Associação Slow Food do Brasil (ASFB) e do AKSAAM – Adaptando Conhecimento para a Agricultura Sustentável e o Acesso a Mercados, projeto do FIDA – Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV), com o apoio dos projetos Paulo Freire (FIDA), São José (Banco Mundial) e a Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco. As ações realizadas em território Tremembé contam, ainda, com apoio do CETRA.

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...