slow-food-youth-network-brasil-italia-bra3

Treinamento Slow Food Youth Network

Treinamento Slow Food Youth Network

Bra- Itália

slow-food-youth-network-brasil-italia-bra3

Há 1 ano e meio sou associada ativa do Slow Food Rio de Janeiro. Em novembro do ano passado recebi com muita surpresa um convite para fazer um treinamento na Itália com a parte jovem do movimento, o Slow Food Yout Network.

No total, foram 29 jovens oriundos de  19 países: EUA, Canadá, México, Brasil, África do Sul, Espanha, Holanda, França, Itália, Alemanha, Áustria, República Tcheca, Bélgica, Suíça, Macedônia, Bulgária, Sérvia, Turquia,Israel, Coréia do Sul.

Só por isso, ter reunidos 19 nacionalidades diferentes já é um grande aprendizado.

No total foram 3 dias intensos de treinamento, com palestras, workshops, tour gastronômico e degustações.

Eu, como estava indo do Brasil, cheguei dois dias antes. E foi ótimo, tive a oportunidade de conhecer um Presidium local, o Valli Unite, cooperativa de produção de salame artesanal. Visitando Valli Unite pude ver, sentir que quando um produtor trabalha com seriedade, orgulho, amor e paixão isso se traduz claramente na qualidade de seu produto. Escrevi um post especial sobre o Valli Unite (clique aqui), foi realmente uma experiência única.

Começamos o treinamento com uma breve apresentação sobre o SFYN, como nasceu, seus objetivos e metas. O movimento jovem é um braço do Slow Food que se comunica e deixa as atividades mais leves incentivando os jovens a se engajarem na causa do alimento bom, limpo e justo. Em breve disponibilizaremos todo esse material em português aqui no site.

Uma atividade bem interessante que fizemos neste dia foi: cada líder levou um produto industrializado que ilustraria sua insatisfação com o sistema de produção alimentar atual. Na minha visão, minha maior insatisfação é existir comida pronta para bebês e alimentos para crianças vinculados com personagens de desenhos animados. Nós, no Brasil não temos uma lei que proteja nossas crianças dos abusos da publicidade. E, realmente é um absurdo uma mãe ou pai que não tenha tempo de cozinhar uma papinha para seu bebê. Dentro disso sugeri o documentário Muito além do peso, que explica isso de forma bem clara e objetiva.

Ainda falamos sobre a Arca do Gosto, Políticas alimentares e cada um relatou o que estava acontecendo nos seus países. Um dos destaques foi a israelense Shir Hapen que conseguiu estabelecer em Tel Aviv um Mercado da Terra. Também os rapazes da França que criaram a Disco Soupe, a turca que conseguiu fazer em Istambul o Fish Film Festival e, o coordenador internacional do SFYN Joris Lohman criador do Food Film Festival em Amsterdã.

 

No final do dia tivemos um lindo jantar com produtos candidatos e/ou que já fazem parte da Arca do Gosto. E claro, foi a melhor parte do dia. Poder provar um pedacinho de cada país é um experiência única. Me encantei com vários produtos, daqui do Brasil levei o mix de pimentas Baniwa, feita pelas índias baniwa no rio Içana e afluentes. Poucos foram os corajosos que provaram, esse mix realmente é incrível e bem forte.

No segundo dia visitamos a UNISG (Universtà di Scienze Gastronomiche) em Polenzo, tivemos palestras de como organizar eventos, arrecadar fundos e como poderíamos desenvolver as campanhas do Slow Food em nível local. Aqui foi bem conflitante, já que a nossa realidade de país em desenvolvimento nos distancia bastante das estratégias adotadas para os países europeus. Aqui nosso trabalho ainda é de base, principalmente base educacional. Temos que saber como funciona nosso local, conhecer a realidade de quem habita o território e adaptar para a nossa realidade. Precisamos encontrar denominadores em comum entre a filosofia Slow Food e a comunidade local. O que dentro do Slow Food tocará, sensibilizará aquelas pessoas? Só depois de descobrirmos esse denominador em comum conseguiremos seguir adiante com as campanhas e projetos.

Ao final do dia, visitamos uma vinícula de produção de Barolo, típico da região do Piemonte. Após a visita e degustação guiada, nós jovens tivemos um maravilhoso jantar com o presidente e fundador Carlo Petrini. Foi um momento inspirador. É sempre bom poder ter contato com pessoas que começaram a caminhada antes que nós, a troca de experiência é sempre gratificante. No Rio, nós jovens temos a felicidade de ter uma líder de 74 anos com uma bagagem incrível e que está sempre disposta a nos guiar quando precisamos.

No último dia fizemos um Food Tour por Bra, que foi organizado pelo alunos do convivium da UNISG (Universtà di Scienze Gastronomiche).

Visitamos a produção da grana padano e parmeggiano regiano, a produção de uma padaria tradicional, a produção da salsicha crua de Bra e a chocolateria artesanal e suas deliciosas cervejas.

Em todos os lugares um fator em comum: orgulho e amor ao que se faz. Esses sentimentos se traduzem na busca pela excelência e num produto final incrivelmente saboroso.

É chocante perceber como a industrialização alimentar embota nossos sentidos diminuindo nossa percepção do sabor e, consequentemente alterando nosso prazer ao comer.

A noite finalizamos com um grande Eat-In, evento de origem no Slow Food Youth onde a idéia é comer localmente e tradicionalmente. Todos os convidados levam um prato feito em casa com ingredientes locais e/ou oriundo de uma receita de família. Uma grande mesa é montada e os pratos vão circulando para todos.

Tudo isso, essa experiência me mostrou o quanto de trabalho ainda temos pela frente. O quanto nosso país é incrível e como temos potencial, principalmente em termos de sócio-biodiversidade, somos muito ricos. Só precisamos descolonizar nosso pensamento, começar a olhar para nós mesmos com todos os nossos defeitos, aceitar nosso povo, nossa tradição e valorizá-la. Acho que já passou o tempo de achar que só queijo francês e vinho italiano são bons. E não precisamos fazer igual, temos que fazer o nosso, ser original e trabalhar com o que temos localmente. Só depois dessa mudança de paradigma é que teremos o alimento bom, limpo e justo para todos. E, enquanto isso vamos trabalhando para espalhar esses novos conceitos tão urgentes.

Próxima parada, Slow Camp no Uruguai. Importante momento de trocar experiências com nossos irmãos latino-americanos. A união faz a força e ela tem que começar aqui, no nosso continente!

Em breve mais notícias!

 

Para ver mais fotos do treinamento acesse as páginas no facebook:

Slow Food Youh Network

Slow Food Youth Network Brasil

UniSG

 

Carolina Sá

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

7

Transumância

Date 5 dezembro, 2022
Era uma manhã de domingo nublada, um pouco chuvosa. Final de outubro, outono em Madrid. Algumas das principais ruas do centro da...

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...