projeto Sociobiodiversidade na Amazônia em atividade nol, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais.

Projeto Sociobiodiversidade Amazônica no Acre: desenvolvimento do programa nacional de alimentação escolar (PNAE) para povos indígenas e comunidades tradicionais


Foto: Reunião na Terra Indígena Katukina-Kaxinawá em Cruzeiro do Sul, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais.

O projeto Sociobiodiversidade Amazônica da Associação Slow Food do Brasil (ASFB) tem sido realizado nos estados do Amazonas, Acre e Pará. No Acre, atuamos em conjunto com diversas instituições na Comissão de Alimentos Tradicionais dos Povos do Acre (Catrapoacre) para o desenvolvimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para povos indígenas e comunidades tradicionais. 

A Comissão de Alimentos Tradicionais dos Povos do Acre (Catrapoacre) envolve diversas instituições governamentais, como a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE), que coordena a Catrapoacre, a EMATER, a Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio (SEPA), a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Embrapa e instituições não-governamentais, como a Organização dos Professores Indígenas do Acre (OPIAC), a Câmara Estadual de Comercialização da Sociobiodiversidade, Agroecologia e Produção Familiar no Acre, a Cooperação Técnica Alemã (GIZ), a Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (AMAAIAC), a Comissão Pró-Índio do Acre (CPI/AC) e a Associação Slow Food do Brasil (ASFB).

O desenvolvimento do PNAE para as populações indígenas e extrativistas do Acre tem como base a Nota Técnica nº 03/2020, da 6º Câmara de Coordenação e Revisão – Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal (MPF) e da experiência no estado do Amazonas. Esta nota facilita o fornecimento das produções agrícolas (tanto vegetal quanto animal) dos(as) produtores(as) tradicionais aos editais de compras públicas da alimentação escolar. Com este embasamento, a produção vegetal processada, como a produção de vinho de açaí, bacaba e buriti, e de sucos diversos, assim como a produção animal (peixes, galinhas, ovos, suínos, caprinos) fica dispensada do aval da vigilância sanitária. Essa dispensa é dada pelo caráter familiar deste beneficiamento, pois, de uma maneira geral, os(as) moradores(as) de uma comunidade tradicional possuem relação parental. Deste modo, o MPF recomendou aos estados e municípios que possuem escolas em comunidades tradicionais, que criem editais específicos para a alimentação escolar.

Para garantir que a alimentação escolar indígena e de comunidades tradicionais possa contemplar a riqueza da cultura destes povos, as diversas instituições que compõem a Catrapoacre têm se esforçado para o lançamento de um edital de chamada pública pela Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE). Com o edital publicado, os produtores e produtoras poderão fornecer suas produções agrícolas para as escolas públicas de suas comunidades, uma vez que se inscrevam na chamada pública e assinem o contrato com a SEE.

Nesse sentido, estivemos presentes no mês de agosto em algumas atividades presenciais da Catrapoacre: a reunião presencial da Comissão e a oficina sobre o PNAE para comunidades tradicionais e indígenas na Reserva Extrativista (Resex) Cazumbá-Iracema, que fica em Sena Madureira. A reunião presencial buscou discutir pontos importantes do lançamento desta chamada especial da alimentação escolar e aprofundar a pauta com diversos servidores públicos da SEE. A oficina na Resex Cazumbá-Iracema reuniu extrativistas e os Jaminawas, que vivem na Terra Indígena do Rio Caeté, a qual é vizinha da Resex, assim como instituições vinculadas a Catrapoacre e do município de Sena Madureira.

Esta oficina teve o objetivo de divulgar a política pública de alimentação escolar para estas comunidades tradicionais, apresentar o passo a passo para se inscrever no edital e demonstrar o processo de execução da mesma. Dessa maneira, debatemos sobre as burocracias inerentes ao processo, o que é visto como um grande desafio por extrativistas e indígenas. Outro ponto importante da oficina é estimular a prefeitura de Sena Madureira a adquirir produtos destas comunidades para escolas municipais, tendo em vista que a atual proposta é para as escolas estaduais. Com isso, amplia o número de estudantes a serem atendidos por meio dessa política pública, com alimentação escolar de qualidade e adequada aos seus hábitos alimentares, além de contribuir com aumento da renda  de agricultores e agricultoras.

Também aproveitamos a ida ao Acre para ir à Cruzeiro do Sul, no oeste do estado do Acre e banhada pelo icônico rio Juruá. Por lá, tivemos reuniões com o Marcos Nukini, do povo Nukini da cidade de Mâncio Lima, e encontros com os Katukinás e Puyanawas em suas terras indígenas. Estas reuniões tiveram o propósito de debater o lançamento do edital da alimentação escolar, as oportunidades de produtores e produtoras fornecerem suas produções diretamente para as escolas e o impacto positivo gerado na alimentação das crianças e seu aprendizado escolar.


Este edital da alimentação escolar indígena e de comunidades tradicionais deve ser lançado até o final de novembro para que as entregas aconteçam a partir de 2023. Dessa maneira, esperamos que esta política pública constitua uma ferramenta importante para o desenvolvimento territorial desses povos do Acre e uma garantia da segurança alimentar e nutricional desses povos. Há diversos possíveis outros benefícios que podem emergir dessa iniciativa, como o aumento da produção agrícola tradicional e sustentável, da organização social destas comunidades e do aprendizado escolar.  Que mais iniciativas como essa possam se espalhar para o Brasil e ocupar todas as terras indígenas, reservas extrativistas, quilombolas e demais territórios tradicionais!

A Associação Slow Food do Brasil estabeleceu uma parceria para o desenvolvimento do projeto Sociobiodiversidade Amazônica com o projeto Bioeconomia e Cadeias de Valor, desenvolvido no âmbito da Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da parceria entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, com apoio do Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento (BMZ) da Alemanha. Este projeto está acontecendo nos estados do Amazonas, Acre e Pará ao longo de 2022 e 2023. 

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

7

Transumância

Date 5 dezembro, 2022
Era uma manhã de domingo nublada, um pouco chuvosa. Final de outubro, outono em Madrid. Algumas das principais ruas do centro da...

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...