WhatsApp Image 2019 12 13 at 14.06.10

Comunidade nos brejos de Pilão Arcado recebe visita do Slow Food Brasil

WhatsApp Image 2019 12 13 at 14.06.10

 

Distante 120 km da sede do município de Pilão Arcado, na Bahia, está localizada a comunidade Brejo Dois Irmãos. O local se destaca no ambiente do Semiárido, com nascentes de água e cabeceiras de rios,  paisagens exuberantes numa zona de transição entre os biomas Cerrado e Caatinga. 

Nesse local, facilitadores do projeto Slow Food na Defesa da Sociobiodiversidade e da Cultura Alimentar Baiana, Nathan Dourado e Revecca Tapie, realizaram sua primeira visita de campo, a convite do Pró-Semiárido,  iniciativa executada pela CAR/SDR/Governo da Bahia, em parceria com o FIDA. A proposta foi conhecer o potencial produtivo do buriti, que vem sendo trabalhado e comercializado pela comunidade. 

 

A atividade, que aconteceu entre os dias 10 e 12 de dezembro de 2019, contou com a presença dos técnicos do Pró-Semiárido, Egnaldo Xavier e Nelson Santana , de Fernando Andrade, técnico da organização SASOP (Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais), que desenvolve assessoria às comunidades locais em parceria com o Pró-Semiárido, além do grupo de mulheres da comunidade e representantes da Associação Comunitária Beneficente Brejo Dois Irmãos  . 

Atualmente, todo o processo de produção e beneficiamento do buriti é feito de forma artesanal, tradicionalmente, por meio do mutirão de um grupo de mulheres, para obtenção da polpa desidratada (conhecida como lapa) e do óleo. Os produtos são comercializados nas feiras de Campo Alegre de Lourdes e Pilão Arcado. Por meio do Pró-Semiárido, está sendo construída na comunidade uma unidade de beneficiamento para diversificar a produção com a polpa do buriti. A ideia é que a comunidade passe a produzir farinha, doces de buriti com rapadura, com coco e frutas, açúcar mascavo, rapadura e afins. 

Além do buriti, a comunidade tem no plantio da cana de açúcar uma atividade importante. Do beneficiamento da cana são feitas, essencialmente, a rapadura e a cachaça, conhecida na região como brejeira. Tudo feito de maneira artesanal com equipamentos e utensílios simples. 

De acordo com Nathan, a visita de campo foi além de um primeiro contato do Slow Food com a comunidade. “A reunião possibilitou levantar informações sobre o contexto local, apresentar o movimento Slow Food e a proposta do projeto para a comunidade e para as organizações locais e verificar as possibilidades de desdobramentos das atividades com os grupos”, explica. Para Revecca, o mais importante nesse primeiro momento foi iniciar a construção dos diálogos com a comunidade e organizações parceiras que já atuam na região. “Agora é avaliarmos juntos as possibilidades de seguir com o projeto na comunidade, resgatando os hábitos alimentares e fortalecendo o trabalho que já é realizado no local”, conclui a facilitadora do Slow Food.  

O projeto Slow Food na Defesa da Sociobiodiversidade e Cultura Alimentar Baiana é uma iniciativa da Associação Slow Food do Brasil em parceria com o Pró-Semiárido, que é executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional ligada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (CAR/SDR), com o apoio do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).  

Conheça mais sobre o projeto acessando aqui.


 

Texto: Luciana Rios – Comunicadora do Projeto Slow Food na Defesa da Sociobiodiversidade e da Cultura Alimentar Baiana

Foto: Nathan Dourado – Facilitador do Projeto Slow Food na Defesa da Sociobiodiversidade e da Cultura Alimentar Baiana

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

sociobio Amazônia no Acre

Reunião na Terra Indígena Katukina-Kaxinawá em Cruzeiro do Sul, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais.

Projeto Sociobiodiversidade Amazônica no Acre: desenvolvimento do programa nacional de alimentação escolar (PNAE) para povos indígenas e comunidades tradicionais

Date 29 setembro, 2022
Foto: Reunião na Terra Indígena Katukina-Kaxinawá em Cruzeiro do Sul, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais....