A felicidade de volta à quinta dos animais (Artigo de Carlos Petrini)

Grande parte da carne e dos produtos animais que comemos é produzida a partir de animais criados em condições dramáticas. Informar-se, conhecer e escolher é o primeiro passo rumo a uma possível mudança…

Poucos têm acesso a produtos de animais criados em condição de bem-estar ou, pelo menos, é muito difícil ter certeza. Os animais, porém, são seres sensíveis, devendo ser poupados de maus-tratos, dor e medo. Devem ter o máximo de liberdade possível para que manifestem seu comportamento natural. É isto que significa “bem-estar animal” e concerne a vida dos animais, mas está ligado indissoluvelmente a todos os aspectos da comida: da saúde à sustentabilidade ambiental, da justiça social à segurança alimentar. É, no mínimo, um dever compreender a sua importância e significado.

Já em 1999, com o Tratado de Amsterdã, os animais foram definidos seres sensíveis e não meros produtos agrícolas; mas é com o Tratado de Lisboa de 2009 que a União Europeia declarou o bem-estar animal como elemento fundamental. Apesar deste sinal importante, em muitas situações ainda não são garantidas condições mínimas de bem-estar aos animais. Milhões de animais vivem em espaços fechados, onde todas suas funções são sacrificadas em nome da produção, com pouca ou nenhuma possibilidade de movimento e liberdade.

Nos países membros da União Europeia se vê uma luz com a promulgação de normas relativas ao bem-estar animal, mas há ainda sombras no que diz respeito a sua implementação. Há algumas semanas, a União Europeia abriu um processo de infração contra 13 países, incluindo a Itália, por não terem cumprido a legislação que, a partir de 1° de janeiro, proíbe o uso de gaiolas para a criação de galinhas poedeiras.

Do ponto de vista dos criadores de grande e pequena escala, a adoção de sistemas onde o bem-estar animal é prioritário, é um valor agregado. A criação de condições positivas significa um estado de saúde melhor e animais menos estressados. Isto implica menos doenças, com um menor uso de medicamentos que poderiam ter consequências para a saúde humana ou para o meio ambiente, através dos dejetos. Com menos medicamentos, os custos de produção serão menores e haverá uma melhora na qualidade do produto, tanto do ponto de vista organoléptico, como nutricional. Seria necessário, porém, que o esforço dos criadores fosse apoiado por políticas que defendam da concorrência desleal de países terceiros, cujos produtos a baixo custo não são submetidos aos mesmos padrões de bem-estar animal.

Do ponto de vista do consumidor, há uma maior consciência, mas ainda não é suficiente. O aumento do consumo de produtos animais é insustentável para que se mantenha um bem-estar animal aceitável, comprometendo os avanços em informação e educação para um consumo mais responsável. Nos países ricos há um consumo excessivo de proteína animal, com consequências graves para a saúde (risco de obesidade, doenças cardiovasculares e câncer). Precisamos comer muito menos carne, permitindo aos criadores uma produção de qualidade maior (respeitando, inclusive, o bem-estar animal) e, ao mesmo tempo, exigindo que os países pobres melhorem a dieta de suas populações.

É muito difícil não ser cúmplice de um sistema tão problemático. Na falta de políticas adequadas, é preciso informar-se melhor sobre aquilo que se compra e defender, com as próprias escolhas, os produtores mais atentos. Uma dica se você estiver na europa: ao comprar ovos, deve-se ler o código alfanumérico impresso em cada um deles. O primeiro número indica o tipo de criação: zero indica ovos orgânicos, 1 = galinhas criadas ao ar livre, 2 = galinhas criadas na terra (mas cuidado: é sempre dentro de galpões) e 3 = galinhas criadas em gaiolas. O resto do código indica a origem dos ovos, para que se possa escolher um produto local. Consta o código do país (por ex.: “IT” para Itália), e da província, expresso com outras duas letras.

Voltando às normativas europeias, em 2013 será a vez dos criadores de suínos: proibição ao uso de gaiolas para as fêmeas gestantes. Será mais um avanço importante. O diálogo, a informação e a educação para o bem-estar animal são ferramentas poderosas e a conscientização deve começar com as crianças, nas escolas, famílias e, sobretudo, à mesa. Comamos menos carne, mas que seja de melhor qualidade. Aprendamos a reconhecê-la. Pode parecer um paradoxo, mas além de fazermos bem a nós mesmos e ao meio ambiente, faremos algo útil para os animais.


Texto de Carlo Petrini – Presidente do Slow Food Internacional
Retirado do jornal La Repubblica, 14 de março de 2011

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...