Foto de Gabriela Pieroni 3

Slow Food Brasil Educação no Congresso Brasileiro de Agroecologia

A metodologia do percurso sensorial tem no alimento um potente caminho para educar para a transição e emancipação 

Foto de Gabriela Pieroni 3

Abricó, cubiu, tucumã,licuri, baru,pinhão, jatobá, butiá,mel de jandaíra, pequi, cupuaçu, castanha de cotia, baunilha do cerrado, cambuci, capim-limão, preciosa, manjericão, sapota são apenas algumas das sensações que os participantes do percurso sensorial pelos biomas brasileiros puderam experienciar nas oficinas ministradas pelo Slow Food Brasil no inesquecível X Congresso Brasileiro de Agroecologia ocorrido de 12 a 15 de setembro em Brasília. 

cba

Celebrando o patrimônio alimentar brasileiro através do trabalho de produtores ligados à Rede Slow Food Brasil que marcaram considerável presença na Feira da Sociobiodiversidade, as oficinas somaram à programação da Tenda da Alimentação Saudável articulada pelo MDS e que contou com a presença de parceiros como Fiocruz, Ministério da Saúde e CSAs do DF.  As atividades comandadas pelo Slow Food Brasil Educação deixaram na Tenda a mensagem que uma alimentação saudável deve considerar todas as dimensões do alimento, da terra à boca, reforçando sua filosofia de que comer é um ato político de primeira grandeza. O direito ao prazer do gosto e do comer junto, o acesso à comida de verdade num sistema agrolimentar que respeita produtores, ambiente e comedores são aspectos sociais e culturais que não podem ser vistos desarticulados da excelência do paladar e tão pouco da ideia de saúde hoje praticada nas políticas públicas e movimentos sociais. 

foto

A vivência proporcionou um momento de troca de saberes entre educadores, produtores e público participante, permeada por uma homenagem à saborosa biodiversidade dos biomas brasileiros em suas cores, sons, cheiros e gostos e também da descoberta de plantas alimentícias não convencionais ( PANCS) e plantas medicinais.

percursomds

Educadores da Rede Slow Food Brasil de diversas áreas do saber como gastronomia,botânica, nutrição, história e educação do campo e de diferentes regiões do Brasil aproveitaram o momento para se encontrar em Brasília. Na metodologia viva elaborada de forma colaborativa por eles, já no início, os participantes eram provocados a falar sobre suas memórias gustativas, os cheiros e gostos de frutas da infância, as receitas de mães e avós que povoam imaginários, as comidas e temperos que representam territórios e elaboram identidades culturais. 

oficinagi

 

O momento mais aguardado foi o percurso pelas estações dos sentido onde, por vezes de olhos fechados, os oficineiros se entregaram à uma aventura dos sentidos, tocando, provando, cheirando e ouvindo comidas com muitas histórias pra contar.  Histórias que ao final foram reveladas num compartilhamento entre oficineiros, produtores convidados e participantes. As experiências agroecológicas que atuam na Rede Slow Food Brasil através das Fortalezas brasileiras  foram apresentadas juntamente com suas lutas e ações de preservação de cada um dos biomas brasileiros com destaque para Cerrado e Amazônia, representados pelas equipes do Convívio Manaus e Convívio Cerrado. O convívio Engenhos de Farinha de Santa Catarina também presente apresentou a farinha polvilhada da família Gelsleuchter, branquinha e fininha em contraste com a farinha de Bragança, crocante e amarelada produzida pelo ilustre Seu Bené, que esteve presente em uma das oficinas. A diversidade de farinhas de mandioca foi um espetáculo sensorial à parte e os presentes puderam se deliciar  também com a presença de ambos os produtores.

degusta

As Fortalezas do Licuri, Butiá, Engenhos de Farinha, Pinhão, Baru, Méis de Abelhas Nativas entre outras para mostraram seus projetos e sabores através da fala de seus protagonistas e facilitadores regionais do Slow Food Brasil.

A oficina também teve a o objetivo de incentivar educadores, gestores e ativistas a apropriar-se das metodologias da educação do gosto para promover a agroecologia e a alimentação saudável no seu sentido mais profundo. Durante todo o ano de 2017, em mais uma parceria com as ações de Educação Alimentar e Nutricional ( EAN) do MDS, os educadores do Slow Food Brasil Educação levaram suas práticas educativas aos Seminários de EAN, PAA e Compras Institucionais que ocorreram em diversas regiões do Brasil reunindo profissionais diversos, gestores, produtores de alimentos e nutricionistas para discutir tão relevante tema. Ao todo, foram dez oficinas realizadas nas regiões norte, sul, sudeste, centro-oeste e nordeste.

helen

No X Congresso Brasileiro de Agroecologia foi um momento de fortalecimento da Rede Slow Food Brasil e do movimento agroecológico com todos aqueles que acreditam no potencial transformador do alimento como ferramenta para educar nos caminhos do Bem-Viver!

laura copy

 

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

7

Transumância

Date 5 dezembro, 2022
Era uma manhã de domingo nublada, um pouco chuvosa. Final de outubro, outono em Madrid. Algumas das principais ruas do centro da...

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...