queijominas2.jpg

Patrimônio: é de comer? Reconhecimento da tradição leva ao registro do Queijo Artesanal de Minas

queijominas2.jpgNo último dia 15 de maio, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) aprovou o registro do modo de produção do Queijo Artesanal de Minas como patrimônio imaterial brasileiro.

O trabalho que resultou no registro do tradicional queijo mineiro contou com a participação do Slow Food e foi uma ação conjunta que envolveu a associação de produtores de queijo de diferentes regiões de Minas Gerais, o poder público e entidades privadas.

queijominas3.jpgDesde 2001, quando a Secretaria de Cultura de Minas Gerais encaminhou o pedido ao IPHAN, dois aspectos foram decisivos para a qualificação e legitimação do Queijo: a aprovação de Leis Estaduais específicas para a produção artesanal de Queijo de Minas (que permitem a elaboração deste queijo a partir de leite cru) e a realização de um amplo trabalho de pesquisa sobre os modos de produção, questões históricas, culturais e identitárias, que foram sistematizados em um documento, o Dossiê Interpretativo do Queijo Artesanal de Minas.

O registro foi concedido a três regiões de Minas Gerais: Serro, Serra da Canastra e Serra do Salitre (Alto Paraíba). Embora essas regiões conservem aspectos comuns na produção do Queijo, como o uso do leite cru e a adição de fermento láctico natural recolhido do soro do próprio queijo, os queijos possuem características particulares, conferidas por detalhes relativos ao modo de fazer, associadas às condições climáticas, de solo e vegetação de cada região.

queijominas1.jpgAtravés de acordo entre produtores e poder público, garante-se a adoção de cuidados em relação à sanidade dos rebanhos, adequações na estrutura e práticas de higiene na ordenha e nas queijarias, além da utilização de água abundante e potável durante a produção do queijo. Os critérios relativos aos cuidados mencionados são estabelecidos por Leis Estaduais, aprovadas no ano de 2002 que, associadas a processos de formação dos produtores e atenção redobrada à sanidade dos rebanhos, garantem a qualidade sanitária dos queijos. Nesse sistema, ao invés de adotar um processo térmico, como a pasteurização do leite, que elimina não só possíveis bactérias patógenas mas também as bactérias lácticas que conferem as características organolépticas desejáveis aos queijos, adota-se a postura responsável de prevenção através de cuidados com o rebanho e com as práticas e procedimentos de higiene adotados desde o manejo do gado, passando pela ordenha e produção, até a maturação do queijo. Dessa forma, atende-se ao objetivo, apontado no Dossiê sobre o Queijo Artesanal Mineiro, de "conjugar a tradição da produção com boas práticas produtivas que visem a segurança alimentar dos consumidores de queijo artesanal de Minas" (MENESES, 2006).

Nesse sentido, cabe relembrar o Manifesto em Defesa do Queijo de Leite Cru, elaborado pelo Slow Food, que expressa preocupação na manutenção de aspectos culturais, históricos, econômicos e aqueles relativos ao sabor, características associadas à produção em pequena escala, presentes em queijos elaborados a partir de leite não pasteurizado.

qs009b.jpgQueijo é patrimônio, e não em Minas

Tomando como referência o processo de qualificação e registro do Queijo Artesanal de Minas, é interessante trazer ao debate também o processo que vem se dando em relação ao Queijo Artesanal Serrano, produzido por pecuaristas familiares, nos Campos de Cima da Serra, fronteira entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Do mesmo modo que se dá com o Queijo Artesanal de Minas, também há pelo menos dois séculos a produção do Queijo Artesanal Serrano conserva suas características físicas e organolépticas específicas, conferidas pelo micro-clima da região e pelas técnicas tradicionais de produção, vinculadas à atividade da pecuária de corte e realizadas a partir do leite in natura, não pasteurizado, de vacas de corte alimentadas com pastagens de campo nativo (MENASCHE e KRONE, 2007).

bj075b.jpgNo entanto, da mesma forma que ocorreu com o queijo artesanal em Minas Gerais, o Queijo Serrano tem seu processo de produção considerado inadequado pelos parâmetros estabelecidos pela legislação sanitária vigente.

Os avanços no processo de qualificação, documentação e registro do Queijo Artesanal de Minas trazem novas perspectivas e ânimo ao processo que – ainda em fase inicial – vem sendo construído em relação ao Queijo Artesanal Serrano.

Ao legitimar a produção do Queijo Artesanal de Minas através do registro como patrimônio cultural brasileiro, espera-se que esse produto possa ser produzido legalmente, em pequena escala, associando às características do processo tradicional, práticas que garantam sua qualidade sanitária.

mesa.jpgDa mesma forma, espera-se que, futuramente, o Queijo Artesanal Serrano possa ter sua produção assegurada, garantido com isso, que os produtores tenham legitimamente acesso à renda mensal proveniente da comercialização do queijo, ao mesmo tempo em que o saber-fazer, que vem sendo preservado através de séculos, seja valorizado e transmitido para as próximas gerações.

Referências

MENASCHE, Renata; KRONE, Evander Eloí. Queijo Serrano: identidade e cultura nos Campos de Cima da Serra. In: REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL, VII, 2007, Porto Alegre. Anais… Porto Alegre: UFRGS, 2007.

MENESES, José Newton Coelho. Queijo Artesanal de Minas: Patrimônio Cultural do Brasil. Dossiê interpretativo. v. 1. Belo Horizonte. 2006.


* Fabiana Thomé da Cruz  é Engenheira de Alimentos e doutoranda em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – PGDR/UFRGS. Sua pesquisa – que faz parte de um conjunto de iniciativas que deverá embasar o reconhecimento deste queijo – busca aprofundar, a partir do processo de qualificação do Queijo Artesanal Serrano, reflexões sobre as dimensões da qualidade dos alimentos.


* Nota da Editora: o Queijo Artesanal Serrano é uma das Comunidades do Alimento brasileiras que reuniu-se, em 2007, no Terra Madre Brasil, e que participará do Terra Madre 2008.

Leave a Comment:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

7

Transumância

Date 5 dezembro, 2022
Era uma manhã de domingo nublada, um pouco chuvosa. Final de outubro, outono em Madrid. Algumas das principais ruas do centro da...

Dona_joana_manue_foto_Jussara_Dantas

Três vezes manuê

Date 1 dezembro, 2022
O manuê ou manauê é um bolo de milho e melado de cana com muito sabor e muita história. Faz parte do...

WhatsApp-Image-2022-11-17-at-16.22.06

“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo no início de novembro de 2022.

Por mais ativismo alimentar na gastronomia

Date 18 novembro, 2022
“É preciso mudar radicalmente o sistema alimentar vigente”, defende Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, em evento realizado em São Paulo...

taioba Festival Arca do Gosto 2016

Festival Arca do Gosto

Date 16 novembro, 2022
O Festival Arca do Gosto é um festival ecogastronômico voltado para a sensibilização de restaurantes e comensais sobre a biodiversidade e os...