Encontro de Fortalezas

No último dia 15 de agosto, fomos em quatro pessoas, Silvino de Liz Rosa – agricultor, Emília de Fátima Souza – agricultora, Simone Aparecida Pereira – Centro Vianei de Educação Popular e Eliane dos Reis – Cooperativa Ecológica Ecoserra, todos representantes da Fortaleza do Pinhão da Serra Catarinense, realizar um intercâmbio na Fortaleza do Umbu, no Município de Uauá-BA.

 O dia começa quente, pelo menos para nós povo do sul, em especial da região serrana, acostumados com o frio intenso. A estrada é longa de Petrolina a Uauá, enquanto viajamos meio sem saber direito o rumo, só sabíamos que queríamos chegar a Uauá. Nos sentíamos fascinados pela caatinga, encontramos bodes, rios secos, pequenas comunidades, cultivos de palmas, árvores verdes em meio a vegetação seca e nos perguntávamos: será que esse é o umbuzeiro, a árvore "sagrada" do sertão? E muitas eram as perguntas que surgiam em nossos pensamentos, acerca de entender como vive o povo que mora no semi-árido baiano, era muita expectativa e não víamos a hora de chegar a Uauá, e para nossa alegria quando chegamos estava acontecendo a feira municipal que se realiza todas as segundas-feiras em Uauá, era um turbilhão de pessoas, barracas, frutas, hortaliças, roupas, calçados, peixes, feijão de corda, milho verde assado, etc…pronto já nos sentimos em casa, esquecemos o cansaço pelas longas horas de viagem e fomos direto conversar com os agricultores e conhecer os produtos expostos para venda na feira produzidos na região, nos deparamos com uma diversidade que sinceramente não esperávamos encontrar.

E já no final da tarde, lá fomos nós para encontrar os amigos da Coopercuc (Jussara, Jussemar, Adilson, Benedita, Valdivino, ….) e fomos recebidos calorosamente, com abraços, e cumprimentos de boas vindas. Para iniciar a prosa uma cachacinha para degustar, além do mais é um momento especial, era o início e preparação de uma visita que durará quatro dias e aniversário do amigo Jussemar.

Os dias que se seguiram foram intensos, de extrema importância para todos nós. Tivemos a oportunidade de conhecer o trabalho realizado pela Coopercuc, sua organização, gestão, infra-estrutura, visitamos propriedades, algumas unidades de processamento de frutas nas comunidades, um sistema agro-florestal de sequeiro em pleno semi-árido baiano, onde tivemos a maravilhosa experiência de saborear diversas frutas como a graviola, o maracujá da caatinga, melancia, conversamos com agricultores e agricultoras e pudemos entender a realidade local, comemos carne de bode assada, ensopada, frita….hummm….uma delícia, conhecemos o umbuzeiro e pudemos nos deliciar com suas raízes no viveiro de produção de mudas. Cozinhamos o pinhão que levamos, para todos degustarem, enfim momentos de convivialidade e troca de experiências, de sabores e saberes, entre duas realidades tão distantes neste nosso imenso país, porém tão semelhantes, pois o processamento do Umbu surgiu da iniciativa de mulheres que vislumbraram a oportunidade de gerar renda para ajudar no sustento da família e a valorização e preservação de um produto do extrativismo local, aqui não é diferente, as agricultoras viram a mesma possibilidade e iniciaram o processamento do pinhão, a diferença talvez seja que aqui é típico e o saber fazer foi passando de geração em geração, porém a comercialização sempre ocorreu em pequenas quantidades e de modo informal, ou seja foram momentos de vivência muito enriquecedoras para as duas fortalezas e saímos de lá com a sensação de não quero ir ou quero voltar logo, extasiados com a beleza e vida da caatinga. A o céu nordestino!!!! sem dúvida Catulo e João Pernambuco tem razão:
"Não há, ó gente, ó não, Luar como esse do sertão!"

Foi maravilhoso poder conhecer o povo sertanejo, observar a sua força, a coragem, a garra, nada lhes tira o sorriso do rosto, verdadeiras fortalezas, e tão surpresos quanto, ficamos com a calorosa recepção de todas as pessoas de Uauá, o maravilhoso e incansável trabalho realizado pela Coopercuc e com o objetivo de fortalecer a parceria, pretendemos participar do próximo Festival do Umbú e está se conjecturando a possibilidade da Fortaleza do Umbu vir conhecer os trabalhos desenvolvidos aqui na Fortaleza do Pinhão in locu.

Agradecemos imensamente a Fundação Slow Food pela oportunidade, pois possibilitou fortalecer ainda mais as relações na rede terra madre e também o nosso sincero e especial agradecimento a todas as pessoas que fazem parte da Fortaleza do Umbu, em especial a todos os amigos, diretores, funcionários e associados da Coopercuc. Nos veremos em breve!

"Sertão, argúem te cantô,
Eu sempre tenho cantado
E ainda cantando tô,
Pruquê, meu torrão amado,
Munto te prezo, te quero
E vejo qui os teus mistéro
Ninguém sabe decifrá.
A tua beleza é tanta,
Qui o poeta canta, canta,
E inda fica o qui cantá."

Patativa do Assaré – o poeta da roça


Eliane dos Reis – Líder do Convivium do pinhão da Serra Catarinense e Referente da Fortaleza do pinhão da Serra Catarinense.

 

Deixe um comentário:

Últimas notícias

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

sociobio Amazônia no Acre

Reunião na Terra Indígena Katukina-Kaxinawá em Cruzeiro do Sul, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais.

Projeto Sociobiodiversidade Amazônica no Acre: desenvolvimento do programa nacional de alimentação escolar (PNAE) para povos indígenas e comunidades tradicionais

Date 29 setembro, 2022
Foto: Reunião na Terra Indígena Katukina-Kaxinawá em Cruzeiro do Sul, Acre, sobre o edital da alimentação escolar para povos e comunidades tradicionais....